LIVRO: O pensamento puro ainda vive: 200 anos da ciência da Lógica de Hegel.

 

O PENSAMENTO PURO AINDA VIVE4

Lançado sem muito estardalhaço, O pensamento puro  ainda vive: 200 anos da ciência da Lógica de Hegel,  organizado por Márcia C. F. Gonçalves, vem preencher  uma lacuna importante nos estudos sobre a Ciência das Lógica de Hegel no Brasil. Fruto de algumas das contribuições ao VI Congresso Internacional da Sociedade Hegel Brasileira, o volume não apresenta uma estrutura unitária, por conseguinte sistemática, em seu conjunto; nem traz contribuições necessariamente originais em torno da obra em apreço. Não obstante, justamente por isso, o pensamento nele expresso se mostra em sintonia com o pensamento da época presente, assumindo de certo modo o caráter plural de sua manifestação, ao mesmo tempo em que, confrontando-se com este, se quer um pensamento puro; reivindica pois um lugar para o pensamento puro tipicamente hegeliano nesta hora sombria de nossa sociedade tecnológica. O esforço comum a cada uma das contribuições ao presente volume parece ser assim a tentativa de afirmar a vitalidade da Lógica de Hegel em face das correntes contemporâneas, sobretudo daquelas que também reivindicam para si aspectos do legado hegeliano, em especial a filosofia analítica e o pragmatismo.

Talvez por esse fundo a um tempo constituído por comunicações em evento, já que muitos textos guardam a característica de uma comunicação oral, e por disputas hermenêuticas em torno da letra de Hegel, a obra ora se apresenta como uma discussão de scholars em torno de pontos específicos da Ciência da Lógica ou mesmo do sistema hegeliano, ora como uma tomada de posição em relação a interpretações conflitantes, ainda que nestas os possíveis interlocutores permaneçam implícitos. Assim, o título deveras provocante – O pensamento puro ainda vive – visa mais captar o elemento comum esboçado naquele fundo que tomá-lo explicitamente no quadro teórico-filosófico da disputa contemporânea pelas consciências pensantes, na medida em que estas podem se voltar para o conteúdo especulativo que nelas, a elas e para elas se manifesta. Situação compreensível pelo fato de a Ciência da Lógica ser considerada a obra hegeliana de mais difícil acesso, bem como em função de os estudos acerca de Hegel em geral e o próprio hegelianismo estarem declinando-se em todo o mundo. Caso em que o texto presente se dá como uma bela amostra e como um esclarecimento importante da situação atual, quando um simples título parece reavivar a intenção especulativa latente nas consciências as mais diversas, inclusive naquelas que teimam em esquartejar o sistema de Hegel, apropriando de suas partes consideradas ainda intactas, portanto não putrefatas pela ação corrosiva do pensamento dito pós-metafísico e que, paradoxalmente, a este são acopladas como que para salvá-lo de sua própria perdição. Eis aí o valor histórico-filosófico da obra ora apresentada, que só por isso já vale ser lida e meditada.

Igualmente, também por suas características editoriais, O pensamento puro ainda vive se constitui como uma introdução plural aos principais temas e problemas da Ciência da Lógica de Hegel. Destacam-se por exemplo as discussões acerca do início ou do começo absoluto, sobre o problema da relação entre lógica e metafísica, bem como em torno do conceito especulativo, do método dialético e, enfim, da contradição em Hegel. Contudo, uma introdução plural assim instaurada não é porém dirigida ao iniciante nos estudos hegelianos, também não é dirigida ao investigador mais experimentado e que se considera dominador desses temas e problemas sob tal ou tal perspectiva. A obra é dirigida, ao fim e ao termo, àqueles investigadores em formação e a professores que se queiram bem informados quanto às interpretações clássicas e mais recentes acerca de Hegel em geral e da Ciência da Lógica em particular. Os primeiros podem portanto encontrar aí um importante manancial para se decidirem ou se posicionarem naqueles confrontos que geralmente são o caso quando nos deparamos com interpretações conflitantes e ainda não temos um horizonte mais ou menos esclarecido diante de nós. Os segundos, da mesma forma, quando da apresentação ou discussão, em classe, de um tema ou problema ainda não considerado ponto pacífico entre os comentadores, podem mobilizar o capítulo que trata do litígio em questão com uma probabilidade interessante de fazer um debate digno de uma luta de gigantes. Desse modo, O pensamento puro ainda vive encontra seu lugar adequado nos quadros do pensamento hegeliano na época atual e assume uma função dentre as mais nobres e as mais valiosas para o pensamento especulativo; a saber: a formação do próprio pensar do tempo presente naquilo que ele ainda tem ou pode vir a ter de puro.

 Prof. Dr. Manuel Moreira da Silva, novembro de 2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *